quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Grito

Naquele espaço aberto,
Onde gritávamos
Esse grito que sempre estava
preso em ti preso em mim.
Esse grito nos afogava,
O banco onde nos sentávamos, ainda esta.
Os instantes são os mesmos.
parado no tempo os poetas, as garrafas de vinho, a linha férrea do destino
agora hoje, só o meu grito apaga as luzes da cidade
como um relâmpago, extingue-se a humanidade...
e a queda mais esperada, ainda esta, falta coragem
sou um grito, aquele que tanto odeias, quando digo que te quero...
não serás capaz, de esquecer, o silêncio da minha boca aberta
onde habitam as partículas do teu ser.Vento...

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Eternidade

O tempo é uma ilusão!

O ser mortal sonha, com o inatingível
para sempre..
mas nada é para sempre,
tudo sofre a erusão do silêncio,
das palavras que ficaram por dizer
dos beijos que ficaram por trocar.

Pensas... Até um dia...

Mas que dia será esse?
Quando serão as arrugas da minha ilusão
Como serão profundas, terra gretada...

E perante a  minha alma fossilizada,
um suspiro apenas.

Não consigo superar o ruído ensurdecedor do medo.

É tempo de dizer adeus,
é hora de ser terra húmida.

Adeus, meu querido...

Só a morte, só a morte é para sempre !