quinta-feira, 31 de março de 2016

Algas

Um dia, quando o vento correr
acordado até aos teus braços
o verde será demasiado profundo
e a areia demasiado espessa...

Nem o principio de um palavra
será necessária para delinear
a densidade do teu abraço...

No ar preso devagar
emerge o teu sorriso oceânico.
Aqui, o tempo não existe
no instante dos teus dedos
o dia pleno e limpo.

Esta é a madrugada
Em que junto ao cais espero
atravessar a espuma luminosa
e livres galgaremos o rumor das algas...

quarta-feira, 23 de março de 2016

O futuro

Algum dia fui aquilo que hoje vagamente me lembro
só depois de amanhã saberei o que pensar depois da amanhã
Mas hoje não! Não posso pensar
nas mil camadas de sal que cobrem a minha pele.
Criança assustada num canto
Choramingando a morte de um pássaro qualquer
Carregando nos braços o gato Romeu
Por entre, o ar lúgubre de um quarto no topo da casa
um esconderijo, um sótão, pintando a cor-de-rosa...

Hoje não quero pensar. No salto que a vida deu
No tempo que passei sonhando, quando anos de vida?
Acordei criança e adormeci mentida
Na incerteza da dor sempre a mais triste
O desejo de reviver o passado,
As saudades do futuro, esse mito absurdo.
O amanhã não existe. Não no agora, não!
Apenas saberei isso amanhã. Essa é a certeza única.