domingo, 24 de abril de 2016

Respirar

Tento respeitar a minha franqueza
por um segundo,
Tento aceitar a tristeza maior
o gosto límpido do orvalho da manhã
o sossego, a paz, o silêncio
breve como a vida.
Depressa inundo-me e renego
o meu ser, a minha alma
volto a adormecer
pois só no sono mais profundo
sou quem quero ser.